Histórias do Brasil

Parceria de Beatles e Drummond abrasileirou Álbum Branco

O famoso quarteto de Liverpool encontrou-se para um trabalho no Brasil com um dos nossos maiores poetas. Calma. Isso apenas nas páginas da revista Realidade. Em uma reportagem sobre os Beatles, em 1969, o periódico pediu a Carlos Drummond de Andrade que fizesse sua versão em português para seis faixas do último lançamento dos ingleses, o cultuado Álbum Branco.

Mesmo tendo no currículo versão de poemas de Brecht e García Lorca, o mestre sentiu o desafio. Em Porcos (Piggies), o tradutor optou por reforçar as palavras no diminutivo – tentativa de manter a aparência de cantiga infantil usada por George Harrison para atacar a burguesia. Outras vezes, se esforçou para que os versos rimassem. Em Obladi Obladá (Ob-la-di, Ob-la-da), por exemplo, “In a couple of years / They have built a home sweet home” virou “Em um par de anos / Terão construído um lar bacana, doce que nem cana”.

Completam o pacote Farei Tudo (I Will), Felicidade É uma Arma Quente (Happiness Is a Warm Gun), E Por Que Não Aqui na Estrada? (Why don’t We Do it in the Road) e Melro, ave escolhida para substituir a espécie de pássaro negro Blackbird, título da composição de Paul McCartney.

A revista Realidade daquele mês garantia: “Os poemas levam a marca dos autores e a versão portuguesa foi enriquecida com o lirismo e a sensibilidade de Drummond”. Quanto ao “tradutor bissexto”, como se autointitulava o poeta, essa é sua única incursão registrada no universo rock’n’roll.

Da Redação do Almanaque Brasil