Histórias do Brasil

Ada Rogato: Brasileira cruza os Andes pelos ares e entra para a história

A paulistana Ada Rogato foi a primeira mulher sul-americana a saltar de para-quedas e a primeira brasileira a pilotar planadores. Foi precursora também ao tirar o brevê – carteira de habilitação dos aviadores. Mas um fato ocorrido em 12 de setembro de 1950 a colocou definitivamente na história da aviação esportiva. Nessa data, tornou-se a primeira mulher a cruzar a Cordilheira dos Andes num voo solitário. No comando do avião Paulistinha CAP-4, cobriu 11.200 quilômetros ao visitar Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile, ocasião na qual cruzou as grandes cordilheiras, numa viagem que durou 116 horas.

Nos anos subsequentes visitou ainda 28 países num único projeto; sobrevoou a floresta amazônica; pousou no aeroporto mais alto do mundo, na Bolívia; chegou à Terra do Fogo, no extremo sul do continente; e ao Alasca, no extremo norte. Sempre sozinha. Nessas aventuras, conquistou algumas marcas pioneiras mesmo se comparadas às dos homens, quase a totalidade dos aviadores civis.

ada-rogato
Ada Rogato (foto: divulgação)

Sua obsessão por voar só, mesmo em aeronaves com recursos limitados, lhe rendeu um apelido: Gaivota Solitária. Ao ser indagada em 1941 sobre quais atividades poderiam ser consideradas femininas, respondeu: “Todos os setores da ação humana”.

Saiba mais: Ada – Mulher, Pioneira, Aviadora (C&R Editorial), de Lucita Briza.

Por Bruno Hoffmann