Histórias do Brasil

Mulher do interior de São Paulo criou o “parabéns pra você”

Em 1942, a rádio Tupi do Rio de Janeiro organizou um concurso para escolher a letra em português da melodia de Happy Birthday to You, criada em 1875 pelas norte-americanas Mildred e Patricia Hill. A versão campeã, selecionada pela Academia Brasileira de Letras, foi composta por uma farmacêutica do interior de São Paulo.

Bertha Celeste Homem de Melo costumava participar de concursos usando pseudônimos. Só ela, entre cinco mil concorrentes, escreveu quatro versos diferentes, sem repetição: Parabéns a você / Nesta data querida / Muita felicidade / Muitos anos de vida. Ela demorou apenas cinco minutos para criar a canção.

maxresdefault (3)
Bertha, a criadora do “parabéns pra você” – que, na verdade, é “a você” (imagem: divulgação)

Só sentiu um pouco de desgosto quando percebeu que o povo havia feito três mudanças em sua letra. O “a você” virou “pra você”; o “nesta” se tornou “nessa”; e, por fim, o correto seria “muita felicidade”, no singular. Bertha, que tinha 40 anos quando compôs os versos, teve oportunidade de ouvi-lo muitas vezes durante a vida. Morreria em 1999, aos 97 anos.

Outras saudações aos aniversariantes
No Rio Grande do Sul é usual o “parabéns crioulo”, criado por Dimas Costa e Eliseu Salvador. Nos programas de rádio que apresentava nos anos 1950, Dimas popularizou os versos Parabéns, parabéns / Saúde e felicidade / Que tu colhas sempre todo dia / Paz e alegria na lavoura da amizade.

Já o “com quem será?”, que costuma vir depois dos parabéns, é uma paródia da marcha nupcial composta pelo alemão Wagner. Talvez pela difusão da paródia nos aniversários, a opção não é muito escolhida pelas noivas brasileiras.

E, por fim, há quem jure que o bordão “é pique, é pique, é hora, é hora, é hora…” nasceu no bar paulistano Ponto Chic, nos anos 1930. Seria fruto de uma mistura de palavras de ordem comum entre os estudantes de Direito da Universidade de São Paulo. “Pic” era o apelido de um deles, “é hora” saudava a rodada de cerveja gelada. O rajá Timbum, que passara pela faculdade, teria inspirado o grito “rá-tim-bum”.

Da Redação do Almanaque Brasil