OBRIGADO,
CAROS LEITORES
Por Elifas Andreato
Uma das alegrias em fazer este ALMANAQUE é receber mensagens de solidariedade e estímulo. Nestes três anos de embate para mantê-lo vivo, recebemos centenas, dos mais notáveis aos mais anônimos missivistas. Não temos seção de cartas por falta de espaço, porque faltam

anúncios, que permitiriam ampliar o número de páginas, inaugurar novas seções e ampliar a tiragem: apesar dos 100 mil exemplares, representa menos de 10% do número de passageiros que a TAM transporta mensalmente.
Modéstia à parte, nosso ALMANAQUE sai das aeronaves e segue com os ilustres passageiros para suas casas, para escolas. Digo isso como introdução para publicar palavras carinhosas que recebemos, pouco antes do fechamento desta edição. Veja o que escreveu a Inês Amarante:
"Tenho degustado as edições do ALMANAQUE BRASIL nos vôos de curta duração que faço. Confesso que o exemplar do mês de julho me chamou particularmente a atenção pelo Papo-cabeça com o Padre Júlio Lancelloti. Quando vi a frase ‘A gente tem que gostar daquilo que tem que fazer’ tive a impressão que se tratava de uma lição bem dada de conformismo. Qual não foi minha surpresa ao deparar-me com uma belíssima lição de humanidade. Lindo, emocionante, palpitante este retrato do trabalho e da pessoa do Padre Lancelloti (um extensão do outro). Combatente inigualável do individualismo generalizado e triste.
"Parabéns pela matéria! Quiçá eu possa ainda realizar muitas viagens tão emocionantes quanto esta. Chorei disfarçadamente, mas o passageiro do lado nem viu. Valeu!"
E Douglas R. Pinheiro:
"Como cliente TAM e assíduo leitor do ALMANAQUE BRASIL, quero dizer que sem dúvida é uma das melhores publicações do gênero. Saber que vou fazer um vôo pela TAM já é bom demais, e que terei a possibilidade de ler o ALMANAQUE é melhor ainda.
"Tenho acompanhado no ALMANAQUE os editoriais sobre as dificuldades de fazê-lo, a falta de patrocínio. Mas como leitor quero dizer: – Não desanimem! Não parem! Se depender de nós, passageiros, leitores e amigos conquistados por meio deste magnífico ALMANAQUE, ele não deve deixar de compor o dia-a-dia da TAM.
"Sigam o que dizia o saudoso Comandante Rolim: – Sorrir sempre!"
Boa leitura e ótima viagem!