61 – Abril de 2004

1………………………………………………Dia da Mentira

NASCEU NA BESSARÁBIA, JURAVA QUE FOI NO BOM RETIRO


Samuel Wainer

Fevereiro de 1949. Pequeno avião sobrevoa o pampa gaúcho. “Lá embaixo mora Getúlio”, informa o piloto. Há quatro anos o ex-chefe de Estado vivia exílio voluntário em sua fazenda. “Pois então desça”, diz o repórter Samuel Wainer.

Começava um dos maiores furos da imprensa brasileira. No dia 3 de março, o Diário da Noite estampa na capa a chamada da entrevista: Ele voltará.

E Getúlio Vargas voltou. Eleito presidente em 1950, ajuda Wainer a criar o jornal Última Hora.

O sucesso e o apoio ao presidente geram inimizades. Maior adversário: Carlos Lacerda. O político e jornalista desencadeia campanha que leva Wainer à prisão. Diz que ele havia nascido na Bessarábia, hoje República Moldova, Leste Europeu. Pelas leis brasileiras, estrangeiros não podiam ter jornais.

Samuel jurava que nasceu em São Paulo, que era “judeu do Bom Retiro”. Reafirmou até pouco antes de morrer. Quem conta é o escritor Mário Prata. Teria dito:

“Vou confessar uma coisa. Nasci mesmo na Bessarábia.”

“E por que não coloca isso em suas memórias?”

Sorrindo, Wainer respondeu:

“É que, quando o Lacerda começou a me encher o saco, 45 intelectuais brasileiros assinaram documento provando que eu tinha nascido na Rua da Glória. Seria deselegante dizer que era tudo mentira.”