61 – Abril de 2004

18………………………..Dia Nacional do Livro Infantil

LITERATURA ENCORAJA A CRIANÇA A DIZER A PALAVRA NOVA


Ricardo Azevedo

1967. Paulistano de 17 anos escreve o primeiro texto para crianças. Guarda na gaveta. Treze anos depois, faz os desenhos e publica um de seus livros mais premiados: Um Homem no Sótão.

Ricardo Azevedo cresceu em ambiente de leitura. O pai, Aroldo de Azevedo, era professor de Geografia na Universidade de São Paulo (USP) e autor de livros didáticos.

Em 1979, Azevedo era publicitário quando a Editora Melhoramentos procurava novos autores. Apresentou um texto. No ano seguinte saía O Peixe que Podia Cantar.

Escritor, desenhista e pesquisador da cultura popular, aos 54 anos é autor de quase uma centena de livros infanto-juvenis. Mestre em Letras pela USP e doutorando em Teoria Literária, tem livros publicados na Alemanha, Portugal, México e Holanda.

Desde 1999, encabeça o projeto Fura-Bolo, com mais de 70 mil crianças beneficiadas. São oito livros, distribuídos em escolas de comunidades carentes, para formar novos leitores ao capacitar professores a usar literatura em sala de aula.

“Crianças são artífices do novo, das idéias que ainda ninguém teve. Para tanto, precisam ter uma formação livre e criativa, saber lidar com a ambigüidade, precisam aprender a se expressar, ter coragem de dizer a palavra nova, o pensamento que nunca foi pensado. Neste aspecto a literatura pode dar uma grande e insubstituível contribuição.”


Saiba mais em www.ricardoazevedo.com.br