Banner
São Benedito, nada nos falte à mesa E-mail
Escrito por redação   

Meu São benedito / É santo de preto / Ele bebe garapa / Ele ronca no peito.

Longe de sua terra, os negros adotaram um santo parecido com eles. “Tinham também os africanos a São Benedito por seu patrono, talvez pela particularidade de ser santo de cor preta, e em seu louvor celebravam festas religiosas”, diz Pereira da Costa em Folclore Pernambucano.

Descendente de escravos etíopes, Benedito era napolitano, embora lenda caipira conte que era branco, quando foi pregar na África e, sendo mal recebido, teria pedido para ficar preto. Trabalhava no arado e, para descansar, inventou os bailados, do congo ou do moçambique. Na festa, as danças variam. A data também. O dia era 4 de abril, data de sua morte. Com a Lei Áurea, passou a 13 de maio em várias regiões. Hoje, também se festeja em agosto, em São Luís (MA); e em dezembro, em Bragança (PA).

“Deus disse a São Benedito que ele ia ser santo. Respondeu que não queria, por ser preto. Então Deus disse que aquele que abusasse dele seria castigado na hora”, afirmam os devotos.

Grande importância se dá ao santo no interior paulista, Vale do Paraíba e Minas. O negro se apropriou dos autos populares dos brancos, introduzindo elementos de sua cultura. O rei e sua corte, acompanhados pela cavalaria de São Benedito, desfilam em procissão. Congadas e moçambiques cantam e dançam. O mastro com a bandeira do santo está ligado à fertilização da terra, bom presságio para a colheita. Ao erguê-lo, devotos atiram-lhe pedidos e saquinhos com açúcar, pó de café, arroz, feijão. Pedem: “São Benedito, santo cozinheiro, nunca deixe faltar.”
 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.