Banner
Casais açorianos aquecem Porto Alegre E-mail
Escrito por Juliana Winkel   

14 de fevereiro - dia do amor

Durante o século 18, o governo português se viu às voltas com dois problemas. As ilhas dos Açores estavam superpovoadas. No Brasil, o inverso: faltava gente ao sul - ponto de encontro vital entre os domínios português e espanhol. A solução foi cartesiana: transferir o excesso de população dos Açores para o Brasil, experiência que já tinha dado certo no Maranhão e no Pará.

A estratégia ia além: levar não homens, mas casais já constituídos - uma maneira de assegurar o povoamento por famílias que produzissem sem precisar de escravos. Calcula-se que, entre 1748 e 1756, desembarcaram cerca de 2.300 açorianos, em sua maioria casais. Em pouco tempo eles representavam quase dois terços da população local. O mais importante núcleo, estabelecido onde atualmente está Porto Alegre, serviu como ponto de apoio para outros casais de imigrantes, que seguiam para regiões vizinhas. E rendeu novo nome ao lugar: Porto dos Casais. Era o terceiro nome do povoado. Os primeiros: Porto de Viamão, dado em função do nome da região; e Porto do Dorneles, em alusão a Jerônimo de Ornelas Meneses de Vasconcelos, português a quem foram concedidas aquelas terras.

A constante palavra Porto não diz respeito ao mar, mas ao local onde atracavam as embarcações na foz de um riacho, em área hoje aterrada do Rio Guaíba, onde está a Ponte de Pedra do Largo dos Açorianos - monumento construído em homenagem aos casais.


SAIBA MAIS
Acesse o site da prefeitura de Porto Alegre.

 

 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.