Banner
O ano em que o Brasil teve dois carnavais E-mail
Escrito por Mariana Proença   

Apesar de decreto do governo, o carnaval foi comemorado intensamente em 1912.


Com a morte do barão / Tivemos dois carnavá. / Ai que bom, ai que gostoso / Se morresse o marechá, publicou o jornal carioca A Noite, em 8 de abril de 1912. Tratava-se do Barão do Rio Branco, que morreu em fevereiro daquele ano.

O governo decretou luto e adiou o carnaval para dois meses depois. A decisão desagradou os foliões, falou-se até em revolução, com ligas pró-Momo. O decreto teve efeito contrário: o povo festejou duplamente, em fevereiro e abril.

O diplomata abolicionista ganhou homenagens. A capital do Acre, que ele como chanceler incorporou ao território brasileiro, ganhou seu nome; assim como a Avenida Central do Rio, por onde passaram duas vezes os foliões naquele ano. O jeitinho brasileiro não poderia ter mais a ver com outra pessoa que não o Barão. Para Rio Branco, só havia duas coisas bem organizadas no País: "a desordem e o carnaval".


SAIBA MAIS
100 anos de carnaval no Rio de Janeiro, de Haroldo Costa (Irmãos Vitale, 2003).

 

 

Comentários 

 
#1 Dimitri Moreira 23-03-2011 12:25
Parece que houve uma confusao. O diplomata abolicionista era Joaquim Nabuco.
A frase sobre a organizacao da desordem tambem nao consta no pensamento do Barao. Pode ate ser uma brincadeira, mas nao tem muito destaque em sua biografia.
Citar
 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.