Banner
Espinguela fundou a Mangueira, mas premiou a Portela E-mail
Escrito por Nara Soares   

O sambista criou o primeiro concurso de compositores, que deu origem a um dos maiores espetáculos da Terra.

Quem poderia imaginar que um dos maiores espetáculos populares do mundo tenha saído de um fundo de quintal? Pois assim foi. Enquanto o Rio de Janeiro pulava o Carnaval ao som de marchinhas, José Gomes da Costa – ou Zé Espinguela, um dos fundadores da Mangueira – inventava um concurso que mudaria a história desta festa tão brasileira. Em janeiro de 1929, o sambista e pai de santo deu início ao primeiro concurso de compositores disputado pelas escolas de samba cariocas. Nada da grandiosidade da Marquês de Sapucaí – palco dos desfiles das escolas de samba desde 1984. A disputa ocorreu mesmo nos fundos da casa do criador.

Participaram da competição Mangueira, Portela – na época Vai Como Pode – e Estácio. Imparcial, Espinguela premiou o samba portelense Não Adianta Chorar, de Heitor dos Prazeres.

Morador do Engenho de Dentro, o sambista fez da Mangueira o seu segundo lar, motivo suficiente para despertar o ciúme da esposa, que sabia que, além do samba, o marido tinha outras razões para dormir fora de casa.

Em 1944, ele acordou o morro praticamente anunciando a sua morte. Cantou para que todos pudessem ouvir sua nova composição: Bem que eu quero esperar / Mas existe um porém / Sinto a minha memória cansada / Essa simples melodia / Serve de último adeus / Adeus, escola de samba / Adeus, Mangueira / Adeus.

Morreu dois dias depois, sem ter tempo de ver a festa do samba tomar o Rio e transformar-se no maior espetáculo da Terra.


SAIBA MAIS

Almanaque do Carnaval
, de André Diniz (Zahar, 2008).

 

 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.