Banner
Samba sacode os trilhos da Central à Oswaldo Cruz E-mail
Escrito por Nara Soares   

2 de dezembro - dia nacional do samba

A concentração este ano está marcada para começar às 16h na Central do Brasil. Os vagões vão se enchendo e os amigos se reencontrando. Não demora muito, gente de todos os cantos do Rio está a postos para o início da viagem. Mas desta vez não é para ir ao trabalho ou para casa. É dia de curtir o Pagode do Trem, que todos os anos celebra o Dia Nacional do Samba.

A ideia surgiu em 1996, com o movimento Acorda Oswaldo Cruz, do sambista e compositor Marquinhos de Oswaldo Cruz. Ele chamava a atenção da comunidade para as possibilidades de resgate das origens do bairro, considerado um dos berços do samba carioca.

A festa remete a uma inusitada prática do Conjunto Carnavalesco Escola de Samba de Oswaldo Cruz, embrião da Portela. Fundado em abril de 1926 por Paulo da Portela, o conjunto usava como local de ensaio um vagão do trem que partia da Central do Brasil às 6h04 em direção ao subúrbio. Tudo para fugir de represálias num tempo em que o samba era tido como coisa de vagabundo. Evidentemente, nessa época, sequer se imaginava um dia dedicado ao gênero musical.

Já embarcaram no Pagode do Trem bambas como Beth Carvalho, a Velha Guarda da Portela, Império Serrano e da Mangueira, Nelson Sargento, Dudu Nobre, Almir Guineto, Arlindo Cruz, entre outros. E todo ano tem surpresa. O destino final é Oswaldo Cruz, onde a cada esquina pode-se encontrar uma roda de samba das boas.


SAIBA MAIS
Documentário Filhos do Samba
(2004), de Germano Fehr e Tomás Carvalho.

 

samba
 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.