Banner
Tem francês no samba, no forró, no xaxado, no baião... E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   

Almanaque indica: Nicolas Krassik e Cordestinos, álbum com releituras de clássicos de Gilberto Gil, Luiz Gonzaga, Dominguinhos, entre outros grandes nordestinos.

Um francês ao violino, no comando de quatro brasileiros, tocando música nordestina. O projeto inusitado criou um dos mais interessantes discos do ano, Nicolas Krassik e Cordestinos. Radicado no Rio de Janeiro por sete anos, o parisiense tornou-se figura respeitada em rodas de samba e choro da cidade. Até que decidiu dar um passo ousado: criar versões instrumentais para canções nordestinas, valendo-se apenas de instrumentos de corda e percussão. Para isso convocou o contrabaixista acústico Guto Wirtti, o rabequeiro Marcos Moletta, o zabumbeiro Chris Mourão e o percussionista Carlos Cesar. O repertório passeia por clássicos de Gilberto Gil, Luiz  Gonzaga, Dominguinhos, Humberto Teixeira, Hermeto Pascoal e outros. A exceção entre os temas nordestinos é o samba Opinião, do carioca Zé Kéti, incluído no repertório devido à paixão do francês pela música. Participam do disco, como convidados especiais, Yamandú Costa, Hamilton de Holanda, Carlos Malta e João Hermeto. 

E mais...

À Deriva
Avesso a padrões estéticos fechados, o quarteto instrumental À Deriva dialoga livremente com diferentes estilos de jazz e música contemporânea.

Amigo de Fé
O sambista Cláudio Jorge, um dos expoentes do gênero, apresenta canções feitas em parceria com Elton Medeiros, Wilson das Neves, Martinho da Vila e outros bambas.

Tributo a Bezerra da Silva
Artistas famosos recriam clássicos do ícone da malandragem. Entre os participantes, Jards Macalé, Nação Zumbi e Pedro Luís e a Parede.

cantoscantoscantoscantos
 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.