Banner
Personalidades

Em revolução sem tiros, herói do Acre acabou com a festa da Bolívia E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Entenda como o estado acreano tornou-se definitivamente brasileiro.
 
Naná Vasconcelos E-mail
Escrito por João Rocha Rodrigues   
"A percussão é o símbolo da vida."
 
Alberto Nepomuceno E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Sua música era a língua portuguesa

Hoje parece natural o brasileiro cantar em seu idioma. Mas o maestro cearense precisou enfrentar preconceitos e ironias quando resolveu aportuguesar a música erudita nacional. Agitador cultural nato, não fugia das brigas em nome de seus ideais e convicções. “É o compositor mais intimamente nacional”, defendia Mário de Andrade.
 
João Bosco E-mail
Escrito por João Rocha Rodrigues   
"O Brasil me impressiona e espanta"
 
Longe de casa E-mail
Escrito por Natália Pesciotta   
Em diferentes épocas e por diversos motivos, ilustres brasileiros fizeram as malas e se aventuraram em terras estrangeiras. Uns sofreram, choraram e passaram apertos. Outros tiveram felizes estadas. Todos deixaram histórias com sabor de almanaque em cartas, versos, declarações ou canções.
 
Nuno Ramos E-mail
Escrito por João Rocha   
"A arte existe para que não nos digam o que a vida é."
 
É o amor... E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Em grandes músicas, poemas inspirados, dribles desconcertantes e lutas sociais havia duas pessoas que se amavam – ou, pelo menos, uma delas. No mês dos namorados, lembramos histórias de amor que reviraram as cabeças de ilustres brasileiros.
 
Sivuca E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Sanfoneiro universal


Ele nasceu como mais um Severino no interior da Paraíba, mas precisou de pouco tempo para se tornar um ícone internacional. Não só atravessou fronteiras, como também os limites de seu instrumento de trabalho, a sanfona. Influenciou artistas de todos os estilos, compôs clássicos e deixou seu nome na história da música mundial.

 
Fernanda Montenegro E-mail
Escrito por João Rocha Rodrigues   
"Muitas vezes no Brasil a gente acerta por carência"
 
Carlito Maia E-mail
Escrito por Natália Psciotta   
“Sonho, logo existo”

Para ele não bastava muita criatividade. Um dos grandes nomes da primeira geração de publicitários brasileiros foi dos últimos românticos, como definiu Frei Betto. Nunca abriu mão da ética e dos ideais. Deixou como marca, além das flores que enviava aos amigos, frases que definem o homem, o País, o mundo. E a ele próprio, como atesta o título deste texto.
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 4 de 51