Banner
Personalidades

Luís Carlos Prestes E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Cavaleiro da coerência

Indignação e coerência. Esses foram os combustíveis que impulsionaram durante quase 70 anos o mais importante líder comunista do País. Comandou um grupo que denunciava os poderosos Brasil afora. Precisou trocar de nome, de cidade, de país pela causa em que acreditava. Manteve-se firme até quando convidado a apoiar quem mandou o amor de sua vida a um campo de concentração. “Não posso colocar os meus dramas pessoais acima do interesse do partido.”
 
Miguel Nicolelis E-mail
Escrito por João Rocha Rodrigues   
"Temos que construir uma ciência tropical."
 
Hilda Hilst E-mail
Escrito por Natália Pesciotta   

Uma aventura obscena

Ela desafiou tanto o modelo de narrativa quanto o padrão de comportamento. Encantou homens como Drummond e Vinicius e se instalou num retiro poético na Casa do Sol. De estilo singular, fez-se pilar da literatura brasileira. Não queria ser lembrada apenas pelas poesias eróticas que escreveu na velhice. “Obsceno para mim é a miséria, a fome, a crueldade. A nossa época é obscena.”

 
Raí Oliveira E-mail
Escrito por Natália Pesciotta   
"É estranha a impressão de viver duas vidas na mesma."
 
Nem a morte separou Caymmi e Stella Maris E-mail
Escrito por Natália Pesciotta   
14 de fevereiro - dia do amor
 
Herivelto Martins E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Um compositor de ouro

Com apenas uma composição ele inaugurou um estilo musical: o samba-canção. Criava com uma facilidade danada. “A rapidez com que componho surpreende a mim mesmo.” No fim dos anos 1930, formou com um parceiro e a mulher o conjunto vocal de maior sucesso no País, o Trio de Ouro. E quando o casamento começou a ruir, as letras das canções que Dalva e Herivelto entoavam viraram armas de guerra. O povo adorou.
 
Com 2 músicas, João Gilberto uniu a turma da bossa E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
25 de janeiro - dia nacional da bossa nova
 
Paulo Freire E-mail
Escrito por João Rocha Rodrigues e Bruno Hoffmann   
“Se a educação não transformar a sociedade, sem ela a sociedade tampouco muda.”
 
Chico Mendes E-mail
Escrito por Natália Pesciotta   
Herói da floresta

Ele defendia a sustentabilidade quando a palavra nada significava para a maioria. Tachado de inimigo do Brasil por maldizer o “progresso” da Amazônia, fez ecoar seu grito em defesa dos povos da floresta. Enfrentou multinacionais, latifundiários, pistoleiros. Antes de ser assassinado, declarou: “Se descesse um enviado dos céus e garantisse que minha morte iria fortalecer nossa luta, até que valeria a pena.”
 
João Nogueira E-mail
Escrito por Bruno Hoffmann   
Um sambista de calçada

Dono de uma voz cheia de ginga, ele se tornou sinônimo do gênero musical que o consagrou, mas transitava por diversos estilos. Ao lado de grandes parceiros, criou clássicos de rara beleza. Engajou-se na luta pela música brasileira quando todos os ouvidos estavam voltados para o que vinha de fora. Sem nunca perder sua essência: “Não sou nem do morro e nem do asfalto. Sou um sambista de calçada”.
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 9 de 51