A Revista | Assine já! | Edições Anteriores | Expediente | Contatos
:: Seções
:: Busca

Procure pelo site:


Todas as palavras
Qualquer palavra
Frase inteira

Apoio cultural:

109 - Maio de 2008

TICO-TICO

Escravidão acabou há 120 anos, mas esta história ainda não chegou ao fim

Com certeza você já deve ter ouvido falar dos tempos da escravidão no Brasil. Essa história toda começou logo depois da chegada dos portugueses. No início, o alvo da exploração eram os índios. Depois, eles foram substituídos por negros trazidos da África, responsáveis pelas tarefas mais duras na construção do País, como o trabalho nas lavouras, a mineração e os serviços domésticos. Em troca de seu suor, não recebiam nenhum tostão. E ainda eram extremamente maltratados. Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, que punha fim a esse injusto sistema de trabalho. Porém, embora tenham se passado 120 anos, os reflexos da escravidão ainda são bastante visíveis. Em comparação aos brancos, os afro-descendentes brasileiros têm as piores remunerações, possuem menor escolaridade, vivem em condições mais precárias e ainda são discriminados. Já passou do tempo desta história chegar ao fim, não é verdade?

Tentaram matar Zumbi
(até hoje não conseguiram)

Zumbi foi um dos principais nomes na luta contra a escravidão no Brasil. Ele era um dos líderes do Quilombo dos Palmares, localizado onde hoje é o município alagoano de União dos Palmares. Sua vida é pouco conhecida e envolta em diversos mitos. Ele teria nascido no quilombo em 1655, de onde foi raptado poucos anos depois. Adolescente, retornou a Palmares. Em 1694, depois de resistir a inúmeros ataques das tropas portuguesas, o quilombo foi desTruído. Ferido, Zumbi foge. Resistiu nas matas por mais de um ano. Em 20 de novembro de 1695, é assassinado. Sua cabeça é levada a Olinda para ser exposta publicamente. A intenção era acabar com os boatos que corriam entre os escravos de que o líder quilombola era imortal. Apesar de ter sido assassinado, seu nome é lembrado até hoje como símbolo da resistência às injustiças. Acabou virando imortal.

JÁ PENSOU NISSO?

Se fôssemos de elefante do Rio de Janeiro a São Paulo, levaríamos cerca de três dias e meio para chegar ao nosso destino. Isso sem que o bichão parasse um segundo sequer para descansar... A velocidade média de um elefante é de cinco quilômetros por hora. Ou seja, para percorrer a distância de 430 quilômetros, ele precisaria de 86 horas! Pensando bem, é melhor pegar um avião. Só leva 40 minutinhos...

TRAVA - LÍNGUA

Se cá nevasse fazia-se cá esqui.

 

 

:: Novidades


Fique sabendo das atualizações do site e das novas edições da revista Almanaque Brasil. Digite seu e-mail aqui:


:: Enquete